pediatria

Pós-Graduação em Reumatologia IEFAP – O que você vai aprender sobre Doenças Reumáticas Infantis e juvenis: do tratamento à abordagem

As doenças reumáticas têm como característica o comprometimento do sistema músculo esquelético. Enquanto algumas podem ser prevenidas, outras são inevitáveis, como é o caso das doenças reumáticas inflamatórias. 

Entre sintomas como febre sem identificação da causa, alterações no comportamento, dores nas juntas, perda de peso, queda de cabelo e alterações urinárias, as doenças reumáticas inflamatórias são as que mais afetam crianças e adolescentes. Por isso, no post de hoje, vamos entender melhor sobre estas patologias, a abordagem e tratamento. Acompanhe!

Doenças reumáticas em crianças e adolescentes: o que são?

Caracterizadas por comprometer o sistema musculoesquelético, as doenças reumáticas são popularmente conhecidas como reumatismo e representam um conjunto diferente de doenças que afetam o aparelho locomotor, envolvendo ossos, músculos, cartilagens, tendões e ligamentos.

As doenças reumáticas em crianças comprometem também outras funções do corpo, como rins, pulmões, olhos, pele, intestino e coração. Entre as mais comuns na infância e adolescência estão a fibromialgia, febre reumática, artrite idiopática juvenil, lúpus e doença de Kawasaki.

Contudo, outras doenças reumáticas não tão comuns, mas que levam à importantes visitas ao reumatologista pediátrico são a artrite reumatoide, vasculites, dermatopolimiosite, esclerodermia, entre outras.

Consequências das doenças reumáticas em crianças e adolescentes

As doenças reumáticas apresentam impacto negativo de variadas dimensões na vida da criança ou adolescente, incluindo incapacidade física, desgaste emocional, desajuste social e diminuição da escolaridade. Além disso, essas patologias representam grande custo para as famílias, sociedade e governo, em todos os níveis. 

Em outras palavras, quando não recebem o tratamento adequado, as doenças reumáticas podem evoluir para deformidades ósteo-articulares irreversíveis. Além disso, outras patologias podem ser fatais, acometendo órgãos e aparelhos vitais. 

No entanto, a demora no encaminhamento de um paciente com suspeita de doença reumatológica ao especialista e, consequentemente a demora no início do tratamento, pode causar danos orgânicos permanentes à criança ou adolescente. 

Tipos de doenças reumáticas na infância e adolescência

No Brasil, entre as doenças reumáticas que acometem crianças e adolescentes, a mais comum é a febre reumática. Essa condição tem como origem uma infecção bacteriana por um estreptococo de vias aéreas superiores e pode acometer o coração. Além da febre reumática, confira outras doenças reumáticas presentes em crianças e adolescentes.

Artrite idiopática infantil

A artrite idiopática juvenil é uma doença relativamente rara que acomete meninos e meninas até os 16 anos. Contudo, os picos de maior incidência dessa condição que afeta as articulações causando dores e febre, estão entre 1 a 5 anos e 10 a 14 anos.

Doença de Kawasaki

A doença de Kawasaki é caracterizada por uma vasculite sistêmica e aguda, predominante de vasos de médio calibre. Responsável por febre alta prolongada, 25% dos pacientes não tratados apresentam risco para anormalidades coronarianas

Lúpus eritematoso sistêmico pediátrico

O lúpus eritematoso sistêmico pediátrico é a doença que acomete crianças e adolescentes, com predomínio em indivíduos do sexo feminino em todas as faixas etárias. A doença é caracterizada pelo acometimento concomitante ou evolutivo de diversos órgãos e sistemas.

Fibromialgia juvenil

A síndrome da fibromialgia juvenil é uma forma clínica caracterizada pela presença de dor difusa e crônica no sistema musculoesquelético, fadiga e sono não restaurador. Ela pode ser associada também a outros sintomas que variam de um paciente para outros. Entre eles, estão, por exemplo:

  • alterações do hábito intestinal;
  • presença de pontos dolorosos;
  • alterações do humor;
  • desatenção;
  • depressão
  • desânimo;
  • cefaleia.

Inicialmente descrita em adultos, faixa etária em que os casos são relatados, a doença foi identificada também em crianças e adolescentes, grupo em que a predominância se concentra grande número de casos na faixa pediátrica.

Fatores de risco

Os principais fatores de risco para doenças reumáticas em crianças e adolescentes são as doenças infecciosas, com alterações do sistema autoimune. Assim, o organismo inicia o ataque de sua própria articulação, e causa lesões e inflamações que provocam a destruição das membranas articulares.

No entanto, por não se tratarem de distúrbios hereditários, as doenças reumáticas desenvolvidas em crianças e adolescentes costumam ocorrer em casos únicos e isolados na família. 

Tratamento

O tratamento das doenças reumáticas envolve o diagnóstico preciso e precoce, seja em crianças, adolescentes, adultos ou idosos. Além disso, avaliações contínuas devem ser realizadas, incluindo a necessidade de exames laboratoriais periódicos. 

Portanto, é preciso avaliar a progressão da doença reumática, sua atividade e remissão, permitindo que o tratamento seja adaptado para cada uma das situações. De acordo com a causa, o tratamento da doença pode estar relacionado ao uso de antibióticos, anti-inflamatórios e outros medicamentos que auxiliem a prevenir a progressão de cada caso.

Da mesma forma, sessões de fisioterapia e psicoterapia devem ser recomendadas à criança ou adolescente. Exercícios feitos para a reabilitação vão ajudar no desenvolvimento da mobilidade articular, permitindo que a criança possa realizar atividades rotineiras sem dificuldades, como caminhar, comer e escrever.

Em conclusão, a detecção precoce das doenças reumáticas em crianças é fundamental para que o médico possa oferecer um tratamento adequado que melhore a saúde e qualidade de vida, e também previne danos permanentes e sequelas. 

Pós-Graduação em Reumatologia

Para o diagnóstico, tratamento e cuidados de prevenção para doenças reumáticas, sejam em crianças ou em qualquer outra faixa etária, o profissional deve estar qualificado a exercer seu papel de especialista.

Por meio do curso de pós-graduação em Reumatologia do IEFAP, o médico pode se preparar para oferecer aos pacientes um atendimento holístico e qualificado a pacientes com problemas clínicos de natureza reumatológica. 

Em suma, quer saber mais sobre o curso e garantir uma formação de qualidade para identificar doenças reumáticas e outros distúrbios? Então, conheça a pós-graduação em Reumatologia do IEFAP!

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

IEFAP

Um passo para o seu futuro