Existe a visão ocidental comum de que corpo está dissociado de mente. A razão disso se dá pela dificuldade em localizar consensualmente a mente ou “estado mental” no corpo humano. Com os novos estudos tal paradigma vem sendo diluído em experiências práticas terapêuticas, como no caso dos modelos com foco mais sistêmico e holístico do corpo. E é exatamente nesse campo que a arteterapia no tratamento de doenças psicossomáticas entra!

Ela parte da visão integrativa de saúde: corpo endócrino, mente, emoções, pensamentos, dinâmicas psicoemocionais. A base para isso é o entendimento do modelo da psicologia transpessoal, ou seja, que compreende a psique como uma estrutura múltipla de níveis, tendo como partes interligadas, o ego, o nível existencial, social, e claro, o transpessoal.

Como surgiu a arteterapia no tratamento de doenças psicossomáticas

Podemos datar um marco histórico a partir dos trabalhos e estudos de Jung, no início do século XX. Ele iniciou verificando determinados princípios reagentes à psique humana, como nos estudos dos sonhos, sua relação com alguns arquétipos do inconsciente e principalmente as relações com o significado pessoais que damos a esses arquétipos. A partir daí estruturou-se uma perspectiva chamada de holística, que analisa o ser humano sob uma ótica mais sistêmica e relativista.

Para cuidar do problema corpo e mente, Jung recolocou-os dentro de seu sistema, configurando a teoria de que psique e matéria são diferentes aspectos de uma mesma unidade. A partir desta nova perspectiva, de associar dialeticamente a origem de uma doença com os fenômenos psicoemocionais, tais como algumas enfermidades autoimunes e idiopáticas, por exemplo.

Deste modo, a arteterapia no tratamento de doenças psicossomáticas vem no intuito de destacar esta técnica que ajuda a propiciar um melhor rendimento de diferentes sistemas, fisiológicos e psíquicos.

Assim, a arteterapia se tornou interdisciplinar, utilizando-se de práticas da psicologia com recursos artísticos e visuais como formas terapêuticas.

Como funciona a arteterapia no tratamento de doenças psicossomáticas?

As sessões de arteterapia são feitas para que a pessoa consiga explorar os aspectos do seu inconsciente através de expressões artísticas como:

  • pintura;
  • desenho;
  • escultura;
  • poesia;
  • dança;
  • música;
  • teatro.

Os objetivos da arteterapia no tratamento de doenças psicossomáticas estão na produção dos processos de expressão artística para a recuperação da saúde da pessoa. Faz parte da arteterapia:

  • promover a descoberta de dons e talentos pela investigação de si mesmo;
  • promoção de autoconhecimento;
  • desenvolvimento das relações do paciente com ele mesmo e com o mundo;
  • desbloqueio de emoções.

Para Jung, a arte seria a expressão mais pura e original do inconsciente de cada pessoa em que se pode evidenciar a sua natureza, sensibilidade e criatividade. A prática da arteterapia no tratamento de doenças psicossomáticas ajuda a desenrolar as criações do inconsciente, como uma espécie de catalisador.

Ela favorece o processo terapêutico principalmente para os casos de doenças e transtornos mentais. Veja os principais benefícios da arteterapia:

  • resgate dos potenciais criativos de cada um;
  • promoção de reflexões si mesmo, habilidades e novos interesses;
  • percepção de conflitos ocultos e comportamentos disfuncionais passíveis de serem modificados;
  • estímulo da ação autônoma para a reestruturação do ser como um todo;
  • melhora no ordenamento lógico da linguagem de pacientes;
  • equilíbrio para a resolução de conflitos internos;
  • auxílio na descoberta de novos processos psíquicos para o autoconhecimento.

Com a arteterapia,a pessoa com transtornos mentais poderá recuperar a sua dificuldade de integração consigo e com as demais pessoas.

O que você achou deste artigo? Matricule-se em nosso cursos de pós-graduação em Saúde Mental e  aprenda mais sobre esse e outros assuntos.