Medicina ortomolecular: da nutrição e consumo de água


Popularizada pela adesão de diversas personalidades no Brasil e no exterior, a medicina ortomolecular é uma terapêutica em franca expansão no país. Mas afinal, o quanto você sabe sobre o assunto?

Você conhece as premissas básicas e os aspectos nutricionais mais importantes da prática? Para atualizar-se sobre o tema, acompanhe a leitura!

Afinal, o que é medicina ortomolecular?

A medicina ortomolecular nada mais é do que uma prática médica alternativa e complementar que tem como objetivo identificar e recomendar o uso de suplementos nutricionais de maneira personalizada com o objetivo de diminuir a presença dos radicais livres no organismo.

Além de suplementos nutricionais, a prática também se vale da prescrição de uma dieta rica em vitaminas e sais minerais. Isso tem por objetivo reduzir processos inflamatórios no organismo e até mesmo prevenir enfermidades ligadas ao envelhecimento, como a artrite e a catarata.

A adoção da dieta ortomolecular também busca obter resultados estéticos, como a diminuição do excesso de peso, a melhora do aspecto da pele e o combate ao envelhecimento de maneira geral por meio do uso de antioxidantes.

Como funciona a dieta ortomolecular?

Para prescrever a dieta ortomolecular, o profissional baseia-se no histórico clínico e no resultado de exames laboratoriais que detectam a deficiência ou excesso de vitaminas ou oxidantes.

A partir daí, é realizada uma prescrição totalmente personalizada, com o objetivo de atender as carências daquele organismo. Por isso, não há como falar em uma dieta ortomolecular com cardápio padrão, que contemple as necessidades de todos os pacientes.

No entanto, como o objetivo é diminuir aos radicais livres e os processos inflamatórios,  as prescrições de dieta ortomolecular tem como base alimentos naturais com alto poder antioxidante e  orgânicos, uma vez que esses são livres de pesticidas e outros agentes que podem causar danos ao organismo.

Os adeptos da medicina ortomolecular também costumam priorizar a variedade na dieta, investindo no consumo de peixes, notadamente salmão, atum e sardinha, que são excelentes fontes de ômega-3 e ajudam a prevenir as doenças cardiovasculares. Também há ingestão de frutas, verduras e legumes variados, que oferecem amplo aporte de nutrientes, e de carboidratos integrais, que dão energia, são ricos em fibra e ajudam a prolongar a sensação de saciedade.

Ainda que não seja proibido, a carne vermelha em excesso é desaconselhada na dieta ortomolecular. Ela potencializa os riscos de câncer em pessoas que possuem predisposição à doença.

A base da dieta ortomolecular é composta ainda pelos farelos, como aveia e milho, por leguminosas como feijão, soja, lentilha e grão de bico, pelas oleaginosas, como  amêndoas, castanhas, nozes e pistaches, e pelas sementes, como a girassol, gergelim e chia.

Aqueles que resolvem aderir a dieta ortomolecular também costumam riscar do cardápio alimentos excessivamente industrializados, como temperos prontos, margarina, sucos de caixa ou refrigerantes, que são ricos em conservantes e saborizantes e pouco ou nenhum aporte nutricional trazem ao menu.

O excesso de sal e de açúcar, bem como as frituras e os alimentos refinados, ou seja, ricos em farinha branca, como massas, pães, pizzas e bolos, também devem ser reduzidos substancialmente do cardápio e, se possível, evitados completamente.

O consumo de água na dieta ortomolecular

Outra característica importante da dieta ortomolecular é a preocupação com a hidratação. De acordo com os especialistas, é essencial que os pacientes tomem cerca de 40 ml de água por quilo de peso, fracionados ao longo do dia

A medida é indicada pois a hidratação adequada auxilia na aceleração do metabolismo. Ela favorece a queima de gorduras, a eliminação de toxinas pelo organismo e contribui para a vitalidade da pele.

Mudança de hábitos deve ir além da alimentação

Além de mudanças na alimentação, a medicina ortomolecular propõe modificações expressivas no estilo de vida do paciente para garantir maior eficácia do tratamento.

As recomendações vão desde as mais comuns para quem deseja ter uma vida mais saudável, como abandonar o cigarro e praticar atividades físicas. A atenção com agentes que podem causar danos ao organismo como os metais tóxicos presentes em utensílios domésticos, como as panelas de alumínio também são medidas da medicina ortomolecular.

Gostou de saber um pouco mais sobre os conceitos básicos e aspectos nutricionais da medicina ortomolecular? Se você deseja aprofundar seus conhecimentos na área de saúde e garantir melhores oportunidades de carreira, conheça agora mesmo os cursos de pós-graduação oferecidos pelo IEFAP e invista no seu futuro profissional!


Fale Conosco

Iefap - Conheça nossos cursos de Pós-Graduação








Av. Advogado Horácio Raccanello Filho, 5620

Maringá - PR

iefap.cursos@iefap.com.br

(44) 3123-6000

(44) 9 8813.1364