Gripe: uma pandemia mundial


Hoje a gripe pode não ser muito considerada pela maioria das pessoas como uma doença grave. Porém, certos sinais como dores de cabeça agudas, tosse ou dores musculares, fazem com que as pessoas confundam seus sintomas com um forte resfriado. Segundo a OMS, a gripe de tipo sazonal chega a matar até 650 mil pessoas todos os anos. É por esta razão que as vacinas contra a gripe são tão importantes, especialmente para proteger crianças, idosos, mulheres grávidas ou àqueles que têm sistemas imunológicos vulneráveis.

Gripe: um problema global

A cada inverno, milhões de pessoas sofrem de gripe. Mas o que é a gripe, afinal?

Ela é uma doença causado por vírus. Os vírus são germes muito pequenos. Alguns vírus podem até se espalhar facilmente de uma pessoa para outra por diversos meios de contato. Assim, a gripe ocasiona junto de si, certas doenças ou infecções. Existem populações vulneráveis à manifestação da gripe como pessoas idosas, àquelas que já têm problemas de saúde como diabetes e doenças cardíacas, tornando a gripe como algo muito grave, e até com risco de morte.

Por ser a gripe uma doença respiratória contagiosa, ela ataca o nariz, a garganta e, às vezes, os pulmões. E para piorar, o vírus da gripe está em constante mutação. Significa que o vírus trabalha colocando disfarces constantes, que sobrevive fugindo do nosso sistema imunológico. Assim, quando um novo vírus surge, que pode facilmente infectar pessoas e ser disseminado, pode se transformar em uma pandemia.

Por ser de caráter global, a OMS e seus parceiros desenvolvem sem parar, estratégias contra a gripe, que neste caso também é chamada de “Influenza”, ajudando os países a desenvolver técnicas de prevenção como vacinas novas e mitigação de focos. Com isto, o trabalho dos governos e da OMS incluem a prevenção e tratamento de surtos de gripe, com o desenvolvimento de novas vacinas.

No entanto, desenvolver e distribuir uma vacina durante uma pandemia pode demorar um pouco. Isso significa que medidas devem ser tomadas, tão necessárias para deter essas pandemias, caso contrário, se tornarão sempre críticas. Certas medidas podem ser tomadas, pelas pessoas em geral, como:

  • permanecer em casa quando estiverem doentes;
  • lavar as mãos com frequência; 
  • proteger o nariz e a boca;
  • usar lenços descartáveis;
  • usar álcool gel 70% regularmente;
  • faça circular o ar;
  • evite ficar em locais de aglomeração de pessoas.

Tipo de gripes

Pelo menos existem 4 tipos de vírus: tipos A, B, C e D. 

Os vírus da gripe A são ainda classificados em alguns subtipos, conforme as combinações das proteínas do vírus, da hemaglutinina (HA) e da neuraminidase (NA).

Mas as que atualmente circulam em seres humanos pertencem ao subtipo A (H1N1 e H3N2). Em especial, a H1N1 foi responsável pela grande pandemia em 2009 que causou milhares de mortes em todo o mundo. 

Já os vírus do subtipo B podem ser divididos em linhagens, como a Yamagata ou B-Victoria. E os vírus de subtipo C são detectados, em menor frequência, quando causam infecções mais leves, não apresentando tanta importância para a saúde pública.

Os vírus da gripe de subtipo D afetam principalmente o gado, mas não são conhecidos por infectar ou causar doenças nas pessoas.

Sinais e sintomas da gripe

Lembre-se que gripe é diferente de resfriado. Mas como geralmente ela vem de repente, as pessoas que estão doentes com gripe, podem sentir alguns dos mesmos sintomas. A gripe, geralmente é caracterizada por:

  • início súbito de febre;
  • tosse, que pode ser seca;
  • dores de cabeça e musculares;
  • nas articulações;
  • mal-estar grave, com sensações de indisposição geral;
  • dores de garganta;
  • nariz escorrendo.

A tosse pode ser considerada como grave quando passa a durar de duas ou mais semanas. Muitas pessoas se recuperam de febre em uma semana sem precisar de atenção médica. Mas com a gripe incubada, pode chegar a causar doenças mais graves ou até mesmo a morte, especialmente para populações de alto risco.

Algumas pessoas podem ter ainda vômitos e diarreia, embora isso seja mais comum em crianças do que em adultos.

Pelos dados da OMS, em todo o mundo, estima-se que estas pandemias resultem em cerca de 3 a 5 milhões de casos com aproximadamente mais de 500.000 por mortes respiratórias. Infelizmente, a maioria das mortes associadas à gripe ocorre entre pessoas com 65 anos ou mais. 

>>> Leia também:
Prevenção das doenças na 3ª idade

A gripe se espalha de que forma?

A maioria dos especialistas acredita que os vírus da gripe se espalham principalmente por minúsculas gotículas, quando as pessoas tossem, espirram ou conversam. Essas gotículas podem parar na boca ou no nariz de outras pessoas. Até mesmo, e com menos frequência, uma pessoa pode contrair gripe simplesmente tocando em uma superfície ou objeto que tenha o vírus.

Outro grupo focal são os próprios profissionais de saúde que se encontram entre aqueles que estão em alto risco de adquirir a infecção pelo vírus da gripe, devido ao aumento da exposição aos pacientes. 

E em termos de transmissão, a gripe se espalha facilmente em áreas mais populosas. Por isso, para evitar a transmissão, as pessoas devem cobrir a boca e o nariz com um lenço ao tossir e lavar as mãos regularmente.

Em climas mais temperados, as pandemias ocorrem principalmente durante o inverno, enquanto nas regiões tropicais, a gripe pode ocorrer ao longo do ano, causando surtos mais irregulares. Como na maioria dos casos de gripe, ela é diagnosticada clinicamente. Para isso, existe uma coleta de amostras respiratórias e a aplicação de um teste laboratorial, necessárias para estabelecer um diagnóstico definitivo.

Como trabalhar na prevenção

Os pacientes com gripe que não estão dentro de um grupo de alto risco, devem ser tratados como casos sintomáticos ou assintomáticos, como ficar em casa, etc. O tratamento se concentra no alívio dos sintomas da gripe, como a febre, por exemplo.

Os médicos devem devem monitorar os pacientes no sentido de detectar se a sua condição se deteriora e a partir daí recomendar um tratamento específico. Os doentes que pertencem a um grupo de alto risco, no caso de desenvolverem doença grave, devem ser tratados com antivirais, para além do tratamento sintomático, logo que possível.

Já os pacientes com doença clínica grave associada a uma infecção por vírus da gripe, como pneumonia, devem ser tratados com medicamentos antivirais o mais rapidamente possível. O uso de inibidores também podem ser prescritos o mais rápido possível, ideal dentro de 48 horas após o início dos sintomas.

Atualmente, todos os vírus da gripe circulantes são resistentes a drogas antivirais, como a amantadina e a rimantadina e, portanto, não são tão recomendados. De certo, a forma mais eficaz de prevenir a doença é com a vacinação. As novas vacinas são mais seguras e eficazes e estão disponíveis para serem usadas. 

Para adultos saudáveis, a vacina contra a gripe garante proteção, mesmo quando os vírus não correspondem exatamente aos vírus da vacina. No entanto, entre os idosos, a vacinação pode ser menos eficaz na prevenção de outras doenças, porém, reduz a gravidade da doença e a incidência de complicações e até óbitos.

Mas a vacinação é, com certeza, especialmente importante para pessoas com alto risco ou para pessoas que vivem ou cuidam das pessoas de alto risco, como os profissionais da saúde.

Gostou deste post sobre gripe e pandemias? Se você quer conhecer mais sobre este assunto, invista agora em um curso para seu futuro pela IEFAP que oferece um corpo docente altamente qualificado e infraestrutura completa. Inscreva-se agora mesmo no curso de Pós-Graduação em Enfermagem do IEFAP!


Fale Conosco

Iefap - Conheça nossos cursos de Pós-Graduação








Av. Advogado Horácio Raccanello Filho, 5620

Maringá - PR

iefap.cursos@iefap.com.br

(44) 3123-6000

(44) 9 8813.1364