Estafa mental na área da saúde: você já chegou nesse ponto?


A estafa mental causada pela alta demanda de estudo e trabalho da carreira médica, muitas vezes, pode causar danos imensos aos profissionais. De acordo com um estudo conduzido pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, mais de 1 em cada 4 médicos, em estágios iniciais de carreira, apresentam sinais de depressão.

Devido ao alto número de especialistas acometidos pelos transtornos emocionais e psicológicos, desenvolvemos este conteúdo, a seguir, com dicas que podem prevenir a depressão entre os profissionais, consequentemente, diminuindo os riscos de erros médicos. Não perca!

Consequências da estafa mental no profissional

Segundo um artigo veiculado na revista médica JAMA Network Open de acesso aberto e  publicada pela American Medical Association, que abrange todos os aspectos das ciências biomédicas, um médico com sintomas depressivos apresentam 95% mais chances de relatar ter cometido erro, comparado a colegas de profissão que não apresentam sintomas.

A situação também ocorre na direção contrária. Os dados afirmam que médicos que cometeram erros tiveram 67% mais riscos de apresentar sintomas de depressão, comparados aos que não relataram erros.

Além disso, de acordo com publicação do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre a Saúde dos Médicos no Brasil, elementos acessórios que contribuem para cenários geradoras de insatisfação são as denúncias de erro médico, sempre excessivas e, em grande parte, exploradas pela imprensa de maneira sensacionalista.

Em geral, profissionais que apresentam estafa mental e depressão, também sofrem com a síndrome de Burnout, distúrbio que se manifesta quando suas atividades profissionais se transformam em estresse e nervosismo intenso e contínuo. Tais sentimentos levam o médico ao extremo, físico e emocional.

Você sabia que pode prevenir a estafa mental e física no trabalho?

Entre as formas de reduzir e prevenir a estafa mental, ansiedade e depressão entre os médicos, devem haver dois focos de atenção: um nas instituições e outro nos próprios profissionais, em especial, os que ainda estão em formação.

Programas de prevenção institucionais

As instituições formadoras devem propor programas de prevenção para o desenvolvimento e enfrentamento de problemas de saúde mental que sejam frequentes e persistentes, como a ergonomia cognitiva.

Além disso, devem oferecer treinamentos de estratégias voltadas para desenvolvimento de recursos pessoais como parte da formação médica, valorizando e oferecendo programas de intervenção que possam abordar estratégias individuais e institucionais de tratamento de problemas de saúde mental.

Prática de exercício físico

Problemas como estafa mental e depressão podem melhorar com a prática de atividades físicas. Além de promover a liberação da tensão muscular que, muitas vezes, afeta os profissionais, exercícios físicos auxiliam o médico possibilitando relaxamento pela produção de endorfina, e criando uma rotina saudável.

Alimentação adequada

A alimentação é outro fator importante para aliviar a estafa mental. Comer de forma correta e balanceada permite a ingestão de nutrientes e vitaminas adequados para as atividades diárias. Dessa forma, poderão ajudar a repor energias gastas no trabalho e tarefas do dia a dia, tornando o profissional sempre preparado para sua rotina.

Momentos de lazer

Períodos de lazer e relaxamento são essenciais para qualquer pessoa, principalmente aqueles que enfrentam rotinas árduas que ocasiona a estafa mental, como médicos. É fundamental que o indivíduo não deixe o trabalho se sobrepor a todos os momentos de seu dia, abrindo brechas para o descanso e cultivo de hobbies.

Reorganização de atividades

Simples atitudes como reorganizar os dias de trabalho e a agenda do consultório podem ajudar muito. Essa possibilidade do equilíbrio entre o atendimento aos pacientes e os momentos de lazer deve ser realizada, evitando a sobrecarga de atividades.

Superação de erros

Devemos esclarecer que a ocorrência de erro não é um ato exclusivo de médicos que sofrem de estafa mental, contudo, essas situações são muito mais comuns com tais profissionais.

Seja por ação ou omissão por negligência, imprudência ou imperícia, os danos podem variar entre físicos e psicológicos para o paciente. Ao perceber que cometeu um erro, o médico deve:

  • assumir sua falha;
  • desculpar-se com o paciente e familiares apresentando estar disponível para reparação e conforto;
  • comunicar-se de forma franca e sincera, conquistando um aliado;
  • perdoar a si mesmo e ao paciente, pois, em situações como essas o medo permite que a pessoa exponha um lado agressivo;
  • entender os motivos que levam a ocorrência de erros, como estafa mental, sobrecarga de trabalho, horários excessivos, falta de materiais, instabilidade emocional, e outros problemas;
  • mudar sua rotina e buscar ajuda para superar os motivos causadores de situações como essa.

Você pôde entender como a estafa mental e física podem prejudicar a vida do profissional de medicina, assim como de seus pacientes. Aplique as dicas acima à sua rotina para evitar que tais problemas façam parte de sua vida. Além disso, invista em formação adequada, como especializações, dispondo de maior aprendizagem em sua área de atuação.

Quer saber como aumentar seus conhecimentos e experiências e ainda alavancar a sua carreira médica? Então, baixe agora nosso e-book sobre pós-graduação em medicina! Aproveite também e conheça os cursos de pós-graduação do IEFAP e invista no seu futuro!


Fale Conosco

Iefap - Conheça nossos cursos de Pós-Graduação








Av. Advogado Horácio Raccanello Filho, 5620

Maringá - PR

iefap.cursos@iefap.com.br

(44) 3123-6000

(44) 9 8813.1364

Tem dúvida? Fale conosco!