Crianças com TEA e TDAH: Como orientar os pais nesse período de isolamento social


A pandemia trouxe mudanças significativas em diversas áreas, e se para um adulto assimilar essas mudanças já é um desafio, para crianças com TEA e TDAH o problema se torna ainda maior.

Estamos vivendo um período atípico em diversos aspectos, e muitas famílias tem encontrado dificuldades em estabelecer uma dinâmica saudável durante o isolamento.

Por isso, nesse artigo, traremos algumas informações importantes para orientar pais e responsáveis a lidar com os desafios que o isolamento social tem causado, nos acompanhe na leitura!

O que são o TEA E TDAH?

 

Para entender como as crianças com TEA e crianças com TDAH são afetadas pelo isolamento social, é importante entender primeiro o que são essas condições.

O TEA (Transtorno do Espectro Autista) é um conjunto de quadros que caracterizam a criança com espectro autista.

Dentre as condições presentes em crianças com TEA, podemos destacar a presença de comportamentos repetitivos e dificuldades em manter certas habilidades sociais.

Além disso, crianças com TEA apresentam também comunicação não-verbal e padrões de comportamento restritos.

Enquanto o TEA se trata de um espectro com diversas causas e sintomas ainda pouco conhecidos, o TDAH é mais claro em seu diagnóstico.

O TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) é uma condição neurobiológica, que causa falta de atenção, comportamento impulsivo e inquietação.

Crianças com TDAH são mais frequentes do que crianças com TEA, e ambas as condições tendem a acompanhar o indivíduo também durante a via adulta.

 

Como trabalhar o isolamento social com crianças com TEA E TDAH

 

O principal impacto que o isolamento social tem trazido as crianças é a quebra na rotina, principalmente em relação as atividades escolares.

Crianças no geral precisam de rotina, não apenas para estabelecer um bom ritmo de atividades, mas também para que se sintam seguras e conscientes do que irá ocorrer ao longo do seu dia.

Com a pandemia, as atividades escolares e de lazer foram diretamente afetadas, e com isso as aulas passaram a ocorrer de forma online.

Além disso, o lazer que antes era praticado em praças, parques, shoppings, passou a ser dentro de casa, e essa adaptação não tem sido fácil.

Dificuldade que são agravadas caso a criança apresente algum problema de desenvolvimento como o TEA, ou TDAH.

Aos médicos fica o desafio de orientar as famílias quanto a melhor forma de conduzir e apoiar essas crianças frente a esse cenário.

Acompanhe abaixo algumas orientações importantes, para que os pais possam aplicar a rotina de crianças com TEA ou TDAH.

 

– Estabelecer regras e rotina

Trabalhar com regras e rotina é importante para que as crianças também estabeleçam um padrão de atividades em casa.

Lembrando que essas regras e rotina precisam ser flexíveis e de acordo com a capacidade de cada criança em cumpri-las.

Trabalhar as atividades do dia de forma lúdica é uma forma positiva e eficiente de envolver a criança no objetivo.

 

– Priorizar atividades e brincadeiras lúdicas

Inevitavelmente, nesse período muitos pais e responsáveis acabam recorrendo as telas para que possam distrair a crianças, e também cumprir com seus afazeres diários.

As telas até podem ser inseridas no dia-a-dia da criança, mas precisam ser utilizadas por pouco tempo, e em horários pré-definidos.

A criança precisa ter consciência que terá acesso aquele tipo de entretenimento por um período fixo de tempo.

Brincadeiras que estimulem a criatividade e desenvolvimento sensorial devem ser priorizadas.

 

– Planejar períodos para passeios ao ar livre

É fato que estamos em isolamento social e isso remete a ideia de não sair de casa, porém com crianças com TDAH e TEA isso pode ser um desafio ainda maior.

Então na medida do possível, respeitando todas as medidas de segurança, é importante dar passeios ao ar livre com as crianças, para que elas possam mudar de ambiente.

Essa mudança tende a diminuir o stress, e tornar o período de isolamento em casa menos exaustivo tanto para as crianças quanto para os próprios pais.

 

Como os profissionais de saúde podem se preparar para prestar assistência a famílias com crianças com TDAH e TEA

 

O pediatra é o profissional que oferece assistência médica para crianças com TDAH e TEA.

Para esses profissionais é essencial obter uma boa base de conhecimentos científicos, que possam direcioná-los no acompanhamento de pacientes com TEA e TDAH.

A Pós-Graduação em Pediatria, é um importante passo para que médicos pediatras possam se preparar para atender a famílias que possuem crianças com essas condições.

A especialização em Pediatria permitirá que o profissional tenha maior embasamento para fornecer diagnósticos, e propor tratamentos aos seus pacientes.

O IEFAP oferta curso de Pós-Graduação em Pediatria e em diversas outras especialidades. Os cursos são presenciais, com aulas mensais e aos finais de semana.

Veja também as opções de cursos presenciais com aulas online. Inscreva-se já!

Gostou desse conteúdo?! Acompanhe em nosso site outros artigos relacionados ao tema de especialização e fique por dentro.


Fale Conosco

Iefap - Conheça nossos cursos de Pós-Graduação








Av. Advogado Horácio Raccanello Filho, 5620

Maringá - PR

iefap.cursos@iefap.com.br

(44) 3123-6000

(44) 9 8813.1364

Tem dúvida? Fale conosco!